A RESPEITO DO ASSÉDIO MORAL NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE RONDÔNIA...


1* Segundo:Wagner Santanna Figueiredo, no livro  "ASSÉDIO MORAL NA ESCOLA PÚBLICA": Entende-se como assédio moral a relação onde o empregado passa por humilhações, vexames e constrangimentos que são geralmente oriundos de uma estrutura heierarquizada. Quanto mais essa estrutura é autoritária, mais verificamos a incidência de humilhações, porém a vigilância psicológica não se prende no âmbito da humilhação pública; às vezes o controle se mostra de maneira sutil com uma piada, um comentário malicioso ou boatos maldosos. Só as ações descritas acima são o suficiente para prejudicar o ambiente de trabalho. No entanto, há outras formas de controle sobre o funcionário que prejudicam seu desempenho, tais como: marcar tarefas com prazos impossíveis, sonegar informações para que o funcionário não realize suas tarefas com êxito.
2* A título de complementação, poderia citar algumas outras formas a sbaer, tão pervesa quanto: a queimação do funcionário junto aos seus colegas; o estímulo direto ou indireto aos falsos testemunhos, distorção do que o funcionário diz ou escreve com o intuíto de fazer os outros crerem que o mesmo é aquilo que o gestor quer que os outros pensem a respeito dele; manipulação dos alunos e pais dos alunos com a intenção de desmoralizar o professor; desviar o professor de função ou seja: para uma função para o qual não foi contratado ou formado com a intenção, deliberada de provocar a recusa dele e ter um motivo ["forjado"] para afastá-lo de suas funções e da escola; impedi-lo de manisfestar seus pensamentos livremente ou não respeitar as condições necessárias para que o profissional possa se fazer entender pelos seus colegas e defender suas propostas e etc...
3* Eis uma situação que espero ver sendo discutida por quem quer meu voto para governador e deputado estadual nesse Estado.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

CABECINHAS ENVENENADAS!

CARTA ABERTA À ADVOGADA GERAL DA UNIÃO