Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 20, 2011

No império do “ponhar”: Um tipinho do caipira deste lugar.

Imagem
1-Há um lugarzinho, neste lugarzinho do mundo, onde o ponhar reina em absoluto. No café da manhã, almoço e jantar: é socialmente natural ouvir quase todo mundo se “ponhar” a falar. Fala-se assim com tamanha freqüência que gente da cidade grande só faz estranhar. No cotidiano desse lugar: é comum que famílias “ponham” água prá ferver e café tomar. Roupas sujas são “ponhadas” na máquina para bater e depois secar. Lá, certos donos de casas, desenganado por médicos, saem de madrugadinha prá num papé fuminho “ponhar” e escondido fumar. Roupas se põem, não se veste. Algumas de suas mulheres jamais chifres gostam de colocar preferem “ponhar”. Outras, as mais honestas, acham melhor no do marido, no Cdele: “ponhar”.
2-Nesse império é comum: muitas pessoas só saberem nos outros ponhar. Sempre prá trás e atrás: nunca para frente, para que se possa andar. Quem nesse mundo não nasceu para “ponhar”: nada dele pode levar. Basta apenas su-“ponhar” algo de errado no estranho do lugar; basta apenas que…

Se eu não “ponhar” amor....

Imagem
 Crônica dum coração exilado      Brincando com as palavras sagradas, eu passo a mostrar para todos os que me lerem um caminho sobremodo cuidadoso que alguns familiares, pais mães ou irmãos trilham com o intuito de estragar a relação entre duas pessoas, entre alguém da família com alguém de fora dela. No relaciomento entre quem cresceu numa família rural e quem cresceu numa família urbana. Seja esta uma amizade ou um casamento. Algo que eu mesmo estou experenciando. 1- Ainda que eu fale a língua dos roceiros melhor que os próprios roceiros e pense igualzinho a eles: se algum deles não “ponhar” amor, nada do que possa dizer fará sentido algum para os mesmos. 2- Ainda que eu durma e acorde bem cedinho e capine toda roça, minha e deles, inteira: se algum deles não “ponhar” amor, é como se o mato, a tiririca e as ervas daninhas nunca tivesse parado de crescer.
3- Ainda que eu conheça toda a ciência, seja um intelectual, e tenha também um grande senso de humor, seja um pândego dos bons para co…