Se eu não “ponhar” amor....


Crônica dum coração exilado
    
     Brincando com as palavras sagradas, eu passo a mostrar para todos os que me lerem um caminho sobremodo cuidadoso que alguns familiares, pais mães ou irmãos trilham com o intuito de estragar a relação entre duas pessoas, entre alguém da família com alguém de fora dela. No relaciomento entre quem cresceu numa família rural e quem cresceu numa família urbana. Seja esta uma amizade ou um casamento. Algo que eu mesmo estou experenciando.
 
1- Ainda que eu fale a língua dos roceiros melhor que os próprios roceiros e pense igualzinho a eles: se algum deles não “ponhar” amor, nada do que possa dizer fará sentido algum para os mesmos.
 
2- Ainda que eu durma e acorde bem cedinho e capine toda roça, minha e deles, inteira: se algum deles não “ponhar” amor, é como se o mato, a tiririca e as ervas daninhas nunca tivesse parado de crescer.

3- Ainda que eu conheça toda a ciência, seja um intelectual, e tenha também um grande senso de humor, seja um pândego dos bons para contar qualquer piada do mundo para os pais e demais familiares dela, se nenhum deles “ponhar” amor, vou sempre rir sozinho e todo meu conhecimento não valerá mais que o gato enterra dentro da terra.

4- Ainda que aumente consideravelmente todos os meus bens, construa a melhor casa que se possa morar, conquiste todo prestígio neste mundo e os outros eu possa muito ajudar, se nenhum deles “ponhar” amor, nada disso se aproveitará!

5- O “amor” deles nos destruirá. Porque ele costuma ser impaciente, é maligno. Arde em ciúmes, se ufana, se ensoberbece e é seletivo. Só funciona entre eles e ora lá... Se conduz inconvenientemente, só procura os seus interesses, se exaspera e se recente por qualquer bobagem. Se alegra com a desgraça alheia e ainda se julga o único detentor da verdade. Crer em toda fofoca que ouve e a alimenta com mais fofocas e não suporta quem como eles não se identificam. Ele egoísta e danoso: separa ao invés de unir. Afasta, ao invés de juntar. Adoece ao invés de curar. Esse “amor” que eles costumam “ponhar” é difícil de escapar. Por tudo isso, esta é a minha esperança: se eu não apenas “ponhar” amor em você e você em mim: eles triunfarão.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DISCURSO DE COLAÇÃO DE GRAU DA TURMA DE PEDAGOGIA 2007 UNITINS FAEL PELO ORADOR E ACADÊMICO ROMY NOGUEIRA

O OUTONO DO PATRIARCA CHEGA AO FIM: FIDEL CASTRO ESTÁ MORTO.