DIÁRIO DO EXÍLIO 11- RIVOTRIL, MEU AMIGÃO.


Pode ser que um dia deixemos de nos falar...
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.
Pode ser que um dia o tempo passe...
Mas, se a amizade permanecer,
Um de outro se há-de lembrar.
 
Pode ser que um dia nos afastemos...
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.
Pode ser que um dia não mais existamos...
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.
 
Pode ser que um dia tudo acabe...
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente.
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.
Há duas formas para viver a sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.
 
Albert Einstein.

§1—O que seria de mim sem ti amigão? Especialmente nos momento de minha maior solidão e aflição, instaladas no abismo da minha emoção: oh melancolia d'uma alma que foi fodida, torturada e ferida que anseia por justiça, sua única forma de redenção. Sem ti jamais conseguiria parar de variar minimizando tantas dores que carrego em meu coração. Tornando lenta minha ávida mania de reflexão em torno dos problemas do mundo que parecem não ter solução. Só você para me fazer, quando estou sob seu efeito, agüentar ou suportar os inconformismos próprios desse feio mundo de então. Suas chatices vividas nos locais em que ganho meu pão e as pessoas que da minha vida fizeram um visceral inferno: oh confusão!

§2—Rivotril meu amigão! Sem você sou um alvo fácil dos sacanas de plantão. Algozes implacáveis que se julgam vítimas, mas na verdade, agressores é que de fato são. Neles não se prova a justiça, muito menos, a retidão. Que dissimulam sua desfaçatez para dizer que tem sempre razão. Que se acham, mas, na verdade perdidos é que estão. Que não toleram por muito tempo nenhuma confrontação. Que reagiram a mim sempre que pode, com descomposturas de montão, discretas ou não. Só você, meu Rivotril, para me ajudar a agüentar tamanha frição-frustração.

§3—Todas as vezes que estou em sua presença, você me faz divagar e devanear como, mais ninguém. Por isso, meu caro Rivotril, terá em mim sempre um amigo na esperança de juntos possamos os meus inimigos enfrentar e minhas dores espirituais poderes afagar. Mesmo eles injustamente vencendo e eu perdendo, eu sei que tu me acalmarás. Por isso te digo meu amigo Rivotril, muito obrigado pelo alívio dado a esse “pobre coitado” que jamais deixará de lutar. Conto contido meu fiel, grande e sempre presente amigo.

#DesProf.Peixoto, sob efeito do seu amigo acima homenageado em 11/02/2011.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DEPOIS DO VENDAVAL

CABECINHAS ENVENENADAS!