BATTISTI: "EIS O QUE ACONTECE QUANDO SE DEIXA O DIABO APROXIMAR DA GENTE"

Queridos amigos (as) e companheiros (as),

Sinto necessidade de dirigir-me a todos vocês, depois de ler a enésima ópera de desinformação, perpetrada pela Folha de S. Paulo, publicada hoje, domingo, 4 de setembro de 2011.

 A covardia desse jornal e de seus redatores, não conhece limites.

Apesar de ser a Folha de S. Paulo, recebi o “jornalista” João Carvalho Magalhães por ter uma boa recomendação.

A expectativa era que este jornalista iria provar que a Folha iria resgatar a sua “imparcialidade”, que nunca demonstrou em todas as suas matérias anteriores sobre mim.

Eis que vendo a matéria tenho que admitir a grande ingenuidade. O acordo com este suposto jornalista era que eu não queria tratar assuntos polêmicos com o governo italiano, nem com autoridades brasileiras e que ele centraria a matéria sobre o homem e o escritor.

O trabalho de desinformação e de manipulação foi feito de maneira cientifica: de um lado, ele permite que se coloque na primeira pagina uma foto aonde eu apareço feliz da vida com gargalhadas e cervejas, cujo titulo e legenda “La dolce vita clandestina” serve para dizer a Itália que eu estou me lixando dos dramáticos anos 70; por outro lado, ele tenta quebrar o inegável apoio a minha causa dada pelos companheiros de vários países, titulando a pagina 10 do primeiro caderno “Revolução, isso é uma piada”.

Agora vem a safadeza: ele mesmo me levou ao bar só na intenção de tomar essa foto, em seguida, a pergunta se acredito ainda na revolução pela via das armas, ele distorce propositalmente a minha posição - “a luta armada não é mais viável hoje, em países como, por exemplo, o Brasil” - para fazer-me parecer aos olhos do movimento revolucionário um cínico que só aproveitou da solidariedade de companheiros.

 Eis o que acontece quando se deixa o diabo aproximar da gente.

Tenho a precisar que a responsabilidade desta imprudência é só minha e por isso peço desculpas a todos vocês que me acompanharam irrepreensivelmente desde o início desta história.

Um abraço,

Cesare Battisti

ESPONTANEIDADE É IGUAL A INGENUIDADE

No fundamental, a entrevista publicada pela Folha mostra um homem que lutou por grandes ideais quando era jovem, pagou sua cota de sofrimento (como a maioria dos que então fomos fundo nas tentativas de mudar o mundo) e depois deu outro rumo à vida, que já estava direcionada para preocupações menores e para a profissão de escritor quando a perseguição inquisitorial, kafkianamente, recomeçou.

Erigido em troféu que a pior direita européia queria empalhar e exibir na parede, mergulhou num pesadelo que o fez fugir de país em país até ser salvo pelos esforços de cidadãos justos e solidários do Brasil.

Agora, só pensa em reatar os fios de sua existência, voltando ao ponto em que se encontrava antes do novo pesadelo. Quer tornar a ser um homem comum, cuja única militância idealista se dará no campo da literatura.

Tem todo direito a seu repouso do guerreiro e a seu lugar tranquilo no campo (ou na praia, ou na cidade). 

E nós, que movemos céus e terras para livrá-lo dos linchadores, continuaremos nos orgulhando de haver impedido um crime comparável à condenação e destruição da carreira militar do inocente Alfred Dreyfus, à execução dos também inocentes Sacco e Vanzetti, à execução dos  laranjas  Julius e Ethel Rosemberg.

Quanto aos detalhes, eu até entendi o  espírito  da (infeliz e inoportuna) afirmação de que "se eu continuasse um revolucionário hoje, seria um idiota". 

O que Lula disse certa vez foi pior, por representar uma crítica direita a quem mantém seus ideais na velhice. A frase do Cesare pode, pelo menos, ter a leitura de que perserverar na luta revolucionária seria idiotice especificamente no caso dele

Mas, uma pessoa tão visada como o Battisti não pode se dar ao luxo de, entrevistado pelo jornal da   ditabranda, expressar-se de forma tão açodada. Nessas situações, espontaneidade é igual a ingenuidade. Melhor encarar a situação como uma partida de xadrez.

O mal está feito. Agora, é dar a volta por cima, efetuando a chamada  autocrítica na prática

Ou seja, o Cesare precisa ter bem claro o que almeja nesses contatos com a imprensa, e passar a conduzir a entrevista no sentido que lhe convém, ao invés de se deixar levar pelo repórter para armadilhas óbvias, como a foto e o vídeo feitos no boteco.

Certa vez o Paulo Francis contou que presos políticos brasileiros recém-trocados por um diplomata foram dar uma coletiva num país do 1º mundo e, sentindo-se  constrangidos  ao relatarem as torturas que haviam sofrido, sorriam, sem jeito.

Os jornalistas estrangeiros, por desconhecerem nossa forma de ser, concluíram que eles mentiam, porque uma pessoa que tivesse sido vítima de sevícias tão escabrosas não estaria alegre ao tocar nesse assunto...

O bom ou mau desempenho numa entrevista depende de uma infinidade de pequenos detalhes como este. Para alguém ligado à política, não deixar que lhe registrem a imagem com copo de bebida na mão é um dos mais óbvios.
 
Em tempo: eu continuarei na luta por uma sociedade igualitária e justa, já que o Brasil de hoje ainda está bem distante daquele com o qual eu sonhava no longínquo 1967, quando comecei a percorrer o caminho das lutas sociais. Seja eu um sujeito teimoso (como escreveu um jornalista amigo) ou idiota, seguirei perseguindo meus velhos ideais. (Celso Lungaretti)

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DEPOIS DO VENDAVAL

CABECINHAS ENVENENADAS!