O SINTERO DA ERA DA “MANOELCRACIA”

Prof.Wilson Lopes de Jarú num discurso agressivo e caluniador contra o prof. Pantera no dia 08 de março de 2102


"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você diz, mas defenderei até a morte seu direito de dizê-la." 
 Françoise Marie Arouet Voltaire

1- É sabido que professoras, professores, merendeiras, pessoal de apoio, vigia, supervisores, enfim, os trabalhadores da educação do Estado de Rondônia estão de greve desde o dia 23 de fevereiro de 2012. O que as pessoas não param para pensar é que num universo de 24 mil servidores segundo diz o Governo do Estado, quem está em greve constitui uma minoria. Quando o presidente do SINTERO grita que a “maioria” aderiu ao movimento, esta “maioria” é, de fato, a maioria de uma minoria que se submete a seguir como um rebanho bem adestrado a patota do “SINTERO somos sempre nós” que detém a hegemonia do poder sindical a mais de vinte anos a fero e a fogo, a qualquer custo da ética, sem nenhum adversário a sua altura. Eles, sempre foram incomparavelmente imbatíveis, graças ao poder econômico e ao controle do aparelho sindical sob seu controle. A oposição não é nada diante deles: não passam de um grupinho de teimosos sonhadores que tentam quase que de forma suicida, vencer esse pessoal nas urnas ou na tribuna das ditas assembléias convocadas pela supracitada patota.

2- Esta a primeira greve do atual sumo pontífice do alto clero de dirigentes do SINTERO, Manoel Rodrigues. A conjuntura tem conspirado ao seu favor como parece pelas coisas que vem acontecendo. O aparente sucesso do “movimento paredista” não é fruto de um maduro processo de educação sindical, pois isso deixou de acontecer a contento desde o dia em que seu líder fundador, Roberto Sobrinho, conseguiu saltar para o mundo da política e se tornar secretário da educação do prefeito Guedes e pouco tempo mais tarde, se tornar o burgomestre de Porto Velho. Existem outros fatores ligados a mudanças na conjuntura nacional, ao longo da história, que contribuíram para o SINTERO, gradativamente, ir deixando de ser um sindicato de base, de luta política nos locais de trabalho para se tornar o sindicato de resultado que é hoje. O SINTERO de hoje, é o que tem sido todos os sindicatos filiados a Força Sindical de sempre! O SINTERO tornou-se pragmático, de resultado e eleitoreiro, não diferindo, substancialmente, do ideal de sindicalismo representado pela Força Sindical. Isto porque a CUT a qual ele está filiado também mudou desde a primeira eleição de Lula para presidente da República. Atualmente não difere tanto de sua aparente rival.

3- As reais intenções que movem essa patota a fazer o que fazem são ofuscadas pelas falsas intenções oficiais propagandeadas pela patota por todos os meios midiáticos possíveis para que o filiado comum não perceba a tempo de impedi-los. É,... o sindicalismo pode ser movido por razões puramente ideológicas no sentido perverso dado pelo marxismo a palavra ideologia. Em outros termos: ideologia como máscara da realidade. É verdade que a categoria tem motivos econômicos para fazerem greve, mas esses motivos não explicam tudo! Quando a patota informa na televisão e durante as assembléias que a greve é por salário justo, valorização salarial e melhoria da qualidade de ensino, o que vemos na prática que o que mais interessa é o aumento salarial que se pode conseguir. Da parte do cardume ali reunido em sua maioria, o que interessa de fato é o MONEY mesmo. Da parte da patota dirigente, o que interessa é se refazer politicamente diante da categoria dos estragos e desgastes políticos sofridos durante a gestão do governador Ivo Cassol e preservar os interesses econômicos paralelos e ocultos que estão em jogo. O resto é conversa para boi dormir.

4- Fazem parte desse joguinho oculto, por exemplo, a construção da nova sede, do novo “Vaticano”. Digo oculto, porque nem sequer havia na placa de informações da obra o valor total do gasto que será feito. Coisa que o ilustre irmão em Cristo, o professor e Secretário Geral da entidade só colocou depois que esse blogueiro [que vos escreve agora] questionou esse duvidoso “esquecimento”. Além disso, quando foi mesmo que a categoria foi consultada e autorizou tamanha obra de construção? Houve licitação? Quem é o engenheiro responsável mesmo? Ah, mais isso, a maior parte da categoria que vai as assembléia não quer saber. Os espertos do alto clero da direção sindical comemoram, mas estão super - alerta aos ditos “adversários” históricos como o professor Francisco Batista, conhecido como Pantera que podem investigar e descobrir outras coisitas a mais, sujas, que correm pelos bastidores dessa greve e dessa direção.

5- Por essa e outras razões é que desde o começo da greve no dia 23 de fevereiro, o professor Haroldo Félix e outros monges, em suas diversas falas, têm procurado alfinetar, indiretamente, os seus adversários fazendo por alguns instantes, à categoria perder o foco do movimento com o objetivo de desqualificar, preventivamente, qualquer eventual fala de qualquer um dos inúmeros discordantes dessa longeva direção. Cito como exemplo disso, a reação absurda a fala do professor Pantera no dia 08. Neste dia o presidente deu formalmente a palavra, mas permitiu que a pessoa que falou depois dele o desqualificasse publicamente e sem meias palavras. Resumidamente falando, o professor de Jarú Wilson Lopes, argumentou que o Pantera deveria se calar porque tem cargo comissionado dentro do atual governo.

6- Ora bolas, se esse argumento fosse válido, a maioria que compõe a direção do SINTERO não deveria falar nunca, pois eles fazem parte do PT [Partido dos Trabalhadores] e este partido faz parte da base aliada do Governo do Estado de Rondônia. O marido da ex presidente da entidade, também, tem cargo comissionado dentro do governo, logo, ela jamais deveria sequer ser presidente do sindicato. Mas, esse argumento só serve para o professor Francisco Batista como parece. Após a agressão verbal sofrida pediu ao presidente Manoelzinho o direito de réplica e este, movido por um democratismo casuístico, perguntou para a assembléia ali reunida se o professor poderia se defender? A claque da patota do “SINTERO somos nós sempre” que atuam em todas as assembléias como uma espécie de animadores de auditório induziu o restante ali presente, pelo o menos a maioria, a não deixarem o Pantera se defender das acusações sofridas.

7- Esse fato mostra o tipo de democracia que os representantes da categoria dos trabalhadores da educação praticam na realidade. A democracia que ousam cobrar do governo atual! Como são caras-de-pau! Nesse momento, o que foi visto de verdade foi a “manoelcracia”: uma variante deturpação católico-carismática sindical da democracia representativa que eles dizem seguir. O presidente que deveria respeitar o direito a fala, censurou-a publicamente. Porque quem queria falar era um adversário político, não um fiel seguidor. Não era uma das suas ovelhas ali presentes ou lobo aliado, mas o pantera! Manoelzinho começou muito bem sua primeira greve espetáculo, fazendo Voltaire se mexer dentro do túmulo e reforçando o sentimento fascista oculto dentro de muitos professores como esse tal Wilson Lopes que só saem do armário quando se dão conta que seus amiguinhos ideológicos estão em perigo.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

CABECINHAS ENVENENADAS!

CARTA ABERTA À ADVOGADA GERAL DA UNIÃO