A DESPOLITIZAÇÃO DAS ELEIÇÕES É UM ARTIFÍCIO PARA TORNÁ-LAS INÓCUAS

Por Celso Lungaretti

Ao refletir sobre a minha candidatura, cheguei a conclusões mais gerais, que podem servir para todos os candidatos verdadeiramente de esquerda, daí eu estar compartilhando tais reflexões.

O que um vereador de esquerda pode fazer, HOJE, pela cidade de São Paulo?

Apresentar projetos justos e necessários, que são sistematicamente inviabilizados pela maioria de direitistas, reformistas e fisiológicos?

Discursar e votar contra projetos das bancadas direitistas, reformistas e oportunistas, que acabam por ser aprovados, por mais que se escancarem seus defeitos e impropriedades?

Pedir o impeachment do prefeito como ato simbólico, pois, mesmo havendo carradas de razões para o impedimento, será negado?

Então, quais os objetivos de quem é de esquerda e se propõe a ser vereador de São Paulo?

Os imediatos são os de mudar a correlação de forças na Câmara Municipal e contribuir para a eleição de um prefeito de esquerda.

Como fazer isto, igualando-nos aos candidatos de direita, aos reformistas, aos fisiológicos e aos palhaços na forma de fazer campanha? É possível obter sucesso assim? 

Episodicamente, é. Mas, como regra geral, não. Nem, muito menos, é VÁLIDO.

Os outros podem prometer iluminação pública, creches, postos de saúde e outras benesses para os moradores de cada bairro, de cada rua. O  toma-voto-cá-dá-benefício-lá  da política clientelista.

Nós dificilmente teremos como entregar o prometido, enquanto nossas bancadas forem minoritárias.

E, mesmo quando elas são majoritárias, NÃO DEVEMOS, JAMAIS, USAR COMO CARTÃO DE VISITA O QUE NADA MAIS É DO QUE OBRIGAÇÃO. Assim como, em nosso caso, não há mérito, só obrigação, em resistirmos à corrupção e a combatermos. 

A participação na política oficial, para nós, é de ordem tática e não estratégica. Nunca deve obscurecer ou colocar em segundo plano os nossos objetivos de longo prazo e maior relevância. E isto também nos impõe o  DEVER  de nos erigirmos em exemplo vivo dos ideais pelos quais lutamos, mantendo a superioridade moral em todas as circunstâncias.

Para nós, as relações de poder --a luta ideológica, portanto-- têm de vir sempre em primeiro lugar.

Enquanto os direitistas, os reformistas e os fisiológicos jogam poeira colorida nos olhos dos eleitores, cumpre-nos advertir o eleitorado de que:
  • os cidadãos nunca terão tudo que precisam e tudo que merecem sob o capitalismo;
  • nada do que obtiverem estará garantido sob o capitalismo, pois o quadro sempre poderá ser alterado para atender aos interesses dos poderosos (que o digam os escorraçados pela especulação imobiliária!);
  • muito mais do que uma cidade, o que se faz necessário é mudar um país, pois os grandes problemas da cidade são meros reflexos das distorções que o capitalismo impõe a todo o Brasil.
E nós, candidatos de esquerda, temos de nos desdobrar para cumprir um duplo papel:
  • lutar contra o capitalismo, por um ordenamento da sociedade que concretize os ideais milenares da humanidade (justiça social e  liberdade);
  • defender intransigente e incansavelmente os direitos e o atendimento dos justos reclamos dos munícipes, tudo fazendo para minorar os sacrifícios que o capitalismo lhes impõe, mas nunca esquecendo de deixar bem claro que a solução real e definitiva não é administrativa. É política. É REVOLUCIONÁRIA, enfim!
A burguesia e sua indústria cultural tudo fazem para DESPOLITIZAR as eleições, reduzindo-as a tediosas discussões de questiúnculas administrativas, de miudezas, de meros paliativos. Pequenas reformas na fachada de um edifício condenado e que precisa ser reconstruído desde os alicerces.

Nós só cumpriremos nossa missão de REVOLUCIONÁRIOS se recolocarmos a  NECESSIDADE DE UMA PROFUNDA MUDANÇA  no centro de tudo, seja em eleições nacionais, seja nas estaduais e municipais. É O CAPITALISMO QUE TEMOS DE PÔR EM DISCUSSÃO E EM XEQUE, não apenas as mazelas das respectivas administrações. 

Para começar, é mais do que tempo de voltarmos a utilizar, ORGULHOSAMENTE, a palavra REVOLUÇÃO e de assumirmos, sem eufemismos, que é por ela que lutamos. 

Somos muito mais e muito melhores do que vereadores, prefeitos, deputados, governadores, senadores ou presidentes. Somos REVOLUCIONÁRIOS. E se quisermos que os outros nos vejam como somos, temos de começar nós mesmos a nos vermos assim e a nos apresentarmos como tais.

Vencermos ou perdermos eleições, neste momento, é menos importante do que reconquistarmos o  RESPEITO  dos cidadãos.  E isto nós só conseguiremos de peito aberto e com discurso franco.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

CARTA ABERTA À ADVOGADA GERAL DA UNIÃO