ACERCA DE ALGUMAS INFORMAÇÕES DO TEXTO: “GESTÃO DEMOCRÍTICA DAS ESCOLAS PUBLICAS EM RONDÔNIA: O 18 DE BRUMÁRIO DA ESCOLA ELÓISA BENTES”... 01


1- Tive quase agorinha a oportunidade de ouvir a Professora que disputou o pleito com o Prof. Joelson Chaves. Isso devido ao fato de nos encontramos na festa em homenagem ao aniversário da minha filha que fez 10 anos de idade.

2- Na verdade fui oportunista. A colega de profissão foi à festa prestigiar, entre outras pessoas o aniversário da Janyne Peixoto. Não foi para tratar desse tema que para ela se mostrou inconveniente. Mas, aproveitei para ouvi-la um pouquinho.

3- Sua versão contradiz a do Prof. Joelson totalmente. Mas, numa coisa eu e ela concordamos: a maior responsável pelos problemas que culminaram com o pé na bunda que a SEDUC deu no professor foi a Portaria N. 1755/11 forjada no gabinete, longe dos olhos dos principais interessados na democratização da escolha dos diretores das Escolas Públicas de Rondônia, os trabalhadores da educação e a população que se serve de seu trabalho. A turma de tecno-babacas da própria da SEDUC que construiu a regra que normatizou a eleição, especialmente a Comissão responsável pela sua execução falhou. Falhou feio! Fez muita merda! Não temos uma portaria, mas uma porcaria que rege de modo vago, falho e equivocado a escolha dos gestores das escolas Públicas.

4- Não só a “Porcaria”, mas também a forma de interpretá-la pelos seus criadores: deixou a desejar como parece a análise das duas versões dos envolvidos na eleição na Escola Eloísa Bentes. E isso será mais apurado e depois melhor explicado nesse espaço virtual, com certeza.

5- Por enquanto, termino esse pequeno texto dizendo que apesar de haver duas versões totalmente opostas da história da eleição da escola Eloísa Bentes que aqui será escrita, há um cheiro ruim pairando no ar sobre todo o processo eleitoral não só na Escola Estadual Eloísa Bentes como em todas as escolas públicas dentro do Estado. A tese de que não houve nenhuma implantação democrática, mas DEMOCRÍTICA da gestão escola permanece. Os tecno-sacanas da SEDUC envolvidos nessa história que se cuide. Pois defenestrar de forma humilhante o professor que, bem ou mal, o povo elegeu da forma como o expulsou do cargo continua sendo por mim considerada nazista e uma cortina de fumaça para esconder os reais responsáveis por essa brincadeira de mau gosto que chamam de democracia escolar. Pelo o jeito, o governador Confúcio Moura está mal assessorado!

©DesProf.Peixoto
paperblog
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DEPOIS DO VENDAVAL

CABECINHAS ENVENENADAS!