Desprof.Peixoto: Temas que nenhum dos candidatos a prefeito de Porto Velho se importou em explicar ainda.


*DesProf.Peixoto.

Na reta final do segundo turno das eleições municipais, nenhum dos dois candidatos a prefeito de Porto Velho que passaram para o segundo turno ainda não saíram das frases feitas, de efeito, genéricas e só cheias de boas intenções, porém vagas intenções. Os seguimentos da população, em especial, as mais excluídas desta cidade ainda não sabem o que ambos os candidatos pretendem de fato fazer de concreto para:

1º- Ouvir o povo? Por meio do fortalecimento de suas associações de bairros e da participação do prefeito em suas assembleias a fim de ouvir diretamente da população suas demandas e propostas de solução, bem como tornar efetivo, o orçamento participativo. Se no bairro não tem associação, a prefeitura estimula, ensina e ajuda [eu disse ajuda] na sua formação. O importante é que a prefeitura reconheça, respeite e envolva as pessoas por este mecanismo a serem responsáveis pelos seus destinos. Se a associação não tem sede, utiliza-se o espaço da escola municipal para tais reuniões deliberativas.

2º - Regularizar os terrenos onde moram famílias sem suas escrituras públicas? Até porque isso fortalece a cidadania e aumenta a arrecadação da própria prefeitura com os IPTUs que serão cobrados. A falta de Regularização Fundiária incentiva a irresponsabilidade do poder público e torna os ocupantes da terra refém dos poderosos de plantão.

3º - Com ajuda dos líderes das associações de moradores dos bairros, legalmente eleitos para isso, medirem quantas casas será necessário por bairros e como construirão? Se é por mutirão ou pelo financiamento bancário. Em tempo de 241, o ideal é mais barato é por mutirão. Nenhum dos dois candidatos tocou neste assunto.

4º - Devolver a vida e a dignidade de quem até hoje é vitima da última enchente ocorrida no munícipio, especialmente a população ribeirinha e os que viviam entre os ribeirinhos e que caíram no esquecimento do povo que não foram atingidos por ela. Realocando quem perdeu sua posse ou propriedades atingidas pelas enchentes ou, com ajuda técnica acadêmica, ajudando os atingidos a se readaptarem aos locais atingidos fazendo uso inclusive dos conhecimentos tradicionais da cultura ribeirinha.

5º - Para garantir a oferta de água tratada para os bairros periféricos que não tem água tratada? Pois a oferta de água tratantada é exclusiva de uma minoria nesta cidade.

6º - Acabar com o controle, a regulamentação absoluta da prefeitura do transporte público, liberalizando para quem quiser, seja empresa ou pessoa física oferecer este serviço para quem quiser utilizá-lo. É a livre concorrência no setor. Isso cria emprego e baixa o preço da passagem. A prefeitura só cuidaria de evitar a formação de monopólio ou quartel no setor.

7º - Para impedir a especulação imobiliária nesta cidade e os abusos de quem quer fazer fortuna explorando a terra de forma a atender apenas aos segmentos com excelente renda salariais, uma vez que há empresas que chegam até a desviar o sentido de ruas e avenidas com a intenção de valorizar seus condomínios de luxo. Como é o caso que ocorre com a Rua Daniela no Bairro Aponiã, sentido Estrada da Penal. A Rua Daniela foi desviada pela empresa que constrói o condomínio com o consentimento da prefeitura.

8°- Resolver o problema do cuidado que a cidade pode dar aos patrimônios históricos existentes na cidade e demais acervos. Se eles pretendem submeter ou não tal problema à apreciação, debate dos moradores de bairro de toda a cidade junto com seus distritos? Haja vista ser este um problema que não pode ser exclusivo de um segmento exclusivo da cidade, mas de todos. Nesta pauta se levaria para a apreciação pública o que fazer com os restos da Estrada de Ferro Madeira Mamoré? Se o município deve ou não investir nela ou em outros patrimônios existentes. Ou até mesmo decidir quem deve ter tal status de Patrimônio Histórico Popular.

9º- Melhorar o serviço de saúde popular, farmácias populares existentes apara evitar longas filas e a demora do atendimento médico.

10º- Promover uma mudança na forma como se promove a educação municipal no bairro onde as escolas estão inseridas, tendo como mediadores o secretário de educação em comum acordo com a liderança da associação de moradores do bairro. As mudanças deverão ser produto dos debates entre todos os protagonistas que fazem essas escolas municipais, isto é: pais, alunos, professores, demais servidores e representantes do poder público. Quem avalia a escola do município é quem dela faz uso ou que nela trabalha e não órgãos e pessoas de fora. A política de educação das escolas municipais deve ser fruto dessa prática e a SEMED seria apenas o órgão que dará as condições para que isso aconteça e não o órgão que regula e controla o ensino que o povo quer e precisa.

             Pois bem, existem outros temas, fiz uma seleção dos que acredito serem explicados por ambos os candidatos para que os eleitores possam avaliar quem dentre os dois são os mais confiáveis para darem as respostas que o povo precisa. Temas, cujas abordagens pelos candidatos podem, de fato, mostrar qual dos dois conhecem a cidade por inteiro e tem a melhor resposta para seus problemas. Eu, minha família e quem eu possa influenciar, pelo menos, só votaremos depois de ouvir ou ler o que eles pensam a respeito e o que pretendem fazer. Duvido muito se ambos os candidatos forem de elite e tiverem um pensamento oligárquico irão ler o que aqui foi escrito e se importará em responder. Mas, tomara que eu esteja errado.
Eu, minha família e quem eu possa influenciar iremos votar nulo se não haver da parte dos dois candidatos alguma resposta. Pois não elegeremos quem nós não conhecemos e que não sabemos o que ele fará depois de eleito. Não daremos cheque em branco para político algum.

*Desprof. Peixoto. Natural de Recife, Pernambuco; 49 anos; Historiador formado ela UNIR em 1997 e professor da rede Pública de Ensino do Estado desde 1990.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

CABECINHAS ENVENENADAS!

CARTA ABERTA À ADVOGADA GERAL DA UNIÃO