Habemus Papa Figo! Texto ampliado e melhorado

"Papa Manoel Septimo do SINTERO somos nós sempre!"



         Confirmou-se a lógica: a chapa 01 venceu de novo! Segundo o site-diário oficial do grupo: http://www.sintero.org.br numa consulta feita em 04/11/2011 às 01h40 min, num universo de 23.647 filiados ao SINTERO [100%] o resultado parcial é a seguinte: o Chapinha 01, num placar aproximado, tiveram 7.532 VOTOS, ou seja, aproximadamente: 31,5% e a Chapa 02: 5.098 VOTOS ou aproximadamente 21,5% do total absoluto dos filiados. Os números totalizados dos votantes confirmam o que foi dito no texto: “O sindicato dos gatos” de 20/10/2011 no http://moisespeixoto.blogspot.com/2011/10/o-sindicato-dos-gatos.html: “Que essa maioria que sempre aprovaram e legitimaram as decisões propostas e que são colocadas em prática por eles, foram sempre A MAIORIA DE UMA MINORIA de gatos ou gatas sindicalizadas que se dão ao trabalho de estarem presentes nas assembléias e que nem sempre são as mesma nessas reuniões. Enfim: venceu a minoria de uma minoria. Venceu a chapinha da minoria numérica; a chapa do continuísmo. Essa chapinha não venceu com 50%+1 do total de filiados que é de 23.647 sócios, isto é com 11.823 votos!
        Gente: numa entidade de 23.647 sócios como é o SINTERO: é um tremendo absurdo que um grupo [para não dizer partido] precise de apenas 30% deles para ser eleito! É muita fuleragem das grandes; uma pilantragem sem tamanho! Para um presidente da república no Brasil ser eleito, no primeiro turno, precisa somar 50%+1 do voto da maioria dos eleitores aptos. Por analogia, um presidente de uma entidade como o SINTERO do porte de uma pequena cidade deveria seguir o mesmo critério para alguém ser eleito seu presidente. Neste caso com o número de 11.823 votos +1. Não obstante, o Senhor Manoel só precisou de 7.532 votos! Ora bolas, cadê os 4.291 a mais? Para mim, isso é FRAUDE DISFARÇADA DE LEGALIDADE! Uma das primeiras coisas da futura oposição ao então “Highlander, O Guerreiro Imortal” eleito hoje é lutar para mudar isso! Mudar o estatuto e o regimento interno do SINTERO. É trabalhar para tornar essa necessidade uma necessidade da maioria numerica dos sócios; de fazê-los entenderem que o continuísmo difere da palavra continuidade. Que o continuísmo impede a oxigenação, a renovação verdadeira do modelo de sindicato vigente; da forma como a base é tratada; da forma como se remunera advogados que estão a serviço do sindicato e conserva as velhas e ultrapassadas estratégias de luta por melhores condições de trabalho e de remuneração. Que serve apenas aos poderosos que, de fato fazem a educação no Estado.      
       O grupo de Highlander que “venceu”; venceu sem a absoluta legitimidade da maioria numérica dos que pagam ao sindicato, ao SINTERO. Apesar da aparente “vitória” eles continuarão apenas tendo a lealdade da minoria. E isso será comprovado nas futuras manifestações públicas. O SINTERO continuará sendo “nós” sempre! E do mesmo jeito de sempre e não por apenas Três anos, mas por Seis, levando em consideração a tendência dos “gatos cardiais” que são eleitos "papas" da instituição concorrerem e permanecerem por mais um mandato a não ser que se sinta confiante para disputar a um cargo eletivo para a Assembléia Legislativa como uma Deputa estadual, como foi o caso da papisa que encerra seu pontificado com a eleição do  papa Manú Septimo.


Entretanto, o continuísmo prevaleceu pelos seguintes motivos:

1- tiveram como principal cabo eleitoral, o próprio pessoal da chapa 02 dita de oposição. Esses “gatos” que representam as cores da CTB e do PC do B montaram a chapa “nas coxas”, em cima da hora. Eu vi isso acontecer, cheguei a ser convidado em Rolim de Moura no mês de outubro para compor essa chapa. Convite que recusei, é claro! O Pantera havia me dito quando nós nos encontramos em frente ao Banco do Brasil, recentemente, que “vinham se preparando desde o início do ano de 2011”. Afirmação leviana! Mesmo que seja verdade, o resultado do pleito provou que Nove meses não são suficientes para organizar uma chapa de oposição e de disputar com chances reais a vitória. Então a chapa do continuísmo convence, facilmente, a categoria que eles só dão as caras no período eleitoral. Eles terminam dando razão a essa turma. Não fazem oposição organizada e sistemática ao longo dos mandatos, é sempre em cima da hora! Esquisitos esses comunistas do PC do B que acreditam no poder do pensamento positivo e em milagres [não é Pantera?]. O fato é que: agindo sempre assim induz a acreditarmos que eles só participam dessa eleição para dar um ar de que houve disputa séria, mas sem ser de fato. Eles, então, foram os maiores cabos eleitorais da turma que governa o sindicato sempre.

2- Além disso, a situação estava com mais tempo a sua disposição para se tornarem conhecidos. Afinal, os cardeais não dão aulas, vivem socados dentro do sindicato andando pelo estado sempre. Como uma “oposição” desconhecida poderia concorrer se seus integrantes tem que trabalhar, não tem tempo para fazer campanha? Como convencer a categoria que vota se esta é doutrinada e sua crença jamais questionada pela oposição? Se esta lhes é desconhecida?

3- A situação tem sempre ao seu favor, o estatuto e o regimento interno que foi, ao longo do tempo, moldados para dificultar ao máximo a possibilidades do grupo da situação perder qualquer eleição. Enfim, eles existem para mantê-los no poder o tempo que eles quiserem. Nunca existiu uma oposição que trabalhasse para mudar essa situação.

4- A estrutura econômica foi maior e melhor para o lado do senhor Manoel. Ninguém sabe ao certo quem foram todos os financiadores da sua campanha. Uma coisa é certa não foi somente o dinheiro do advogado milionário Hélio Vieira e da CNTE. Outros recursos foram postos a serviço desse pessoal. Mais isso nunca saberemos não é Manú?

5- Uma parte significativa da responsabilidade da “vitória” desses coronéis sindicais é da própria categoria. A omissão dos que não foram votar ajudou bastante esse pessoal. O conservadorismo desses “trabalhadores em educação” em sala de aula e dentro da escola também se refletiu nos resultados desse pleito bem como a indiferença para com o uso que dão do dinheiro que pagam para a entidade. Esse grupo do “SINTERO somos nós sempre” sabia e sabe disso, contaram com isso e se deram bem! É isso, talvez, a maior causa de não podermos também acreditar na mudança para melhor da educação. Se um dos seus protagonistas prefere agir como figurantes ou coadjuvante do continuísmo dentro de sua entidade, imagina fora dela?

6- Parabéns senhor Manú; Nereu! Haroldo! Claudir! Adécio! E o milionário Hélio Vieira, Fátima Cleide e outros petistas. Vocês provaram que “espertos”, digo, coronéis unidos, jamais serão vencidos!
7- Infeliz categoria sem graça! Será que ainda tem salvação?
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DEPOIS DO VENDAVAL

CABECINHAS ENVENENADAS!