MINOS de ALBERTO LINS CALDAS

Por João José de Melo Franco
Diz-se que Minos, quando morreu, o lendário rei que deu à antiga civilização cretense a qualidade de seu nome, a cultura minóica (séc. XV a.C.), desceu ao mundo subterrâneo, onde tornou-se um dos juízes dos mortos, que se apresentavam diante dele e eram encaminhados para determinados círculos do Inferno, segundo a falta mais grave que tinham cometido em vida. Assim ele é vivamente retratado por Dante Alighieri, no Canto V, no Inferno da Divina Comédia. E este também é o Minos de Alberto Lins Caldas, contudo, e surpreendentemente, o juiz dos mortos por ele referido, está, como o poeta, em um inferno invertido, não mais nos subterrâneos, mas entre nós, e à beiramar. Por estar entre os vivos, o Minos de Alberto, adquire uma amplitude humana, não apenas o rei lendário e o juiz dos mortos, mas também o criador de labirintos, o homem entre homens, o homem diante da natureza e do pensar, o criador de touros, o homem diante da brutalidade do existir, tão bem representada pela imagem doMinotauro. Este Minos de Alberto Lins Caldas é a ampliação do mito, por ele usado como ponto de partida para uma profunda re-visão da vida. Não é livro fácil de se ler, pois que nos chama à reflexão, que tantas vezes falta aos homens nos dias atuais, e vem provar o quanto a poesia ainda é um fundamento civilizatório indispensável, pois é mais que necessária aos que, como eu, ainda são capazes de se deixar tocar pela beleza e pelas profundidades do espírito humano. Não encontramos comparativos significativos nos versos de Minos, pois a poesia de Alberto é para lá de singular, não só pelo tônus grave, pelas metáforas que evocam outras, como algo que não encontra seu fim em si, mas também pelo modo como ele a escreve, suprimindo acentos, cortando palavras e entremeando-as com pontos, como a nos dizer que tudo é fim e nada é fim, nem mesmo a morte, que ele frequentemente devolve à vida. Encontramos, aqui e ali, algo que semelha a Klebnikov, a Maiakoviski, a Baudelaire e a Mallarmé, mas o fato é que nada disso nos revela algo sobre esta poesia, que vem a público já completamente madura, e nos mostra um poeta com voz e rosto próprios. Finalmente, Alberto Lins Caldas estreia sua poesia em livro. Acredito que os leitores desses poemas também poderão dizer: finalmente e definitivamente!
Serviço:
MINOS
Poemas
Autor: ALBERTO LINS CALDAS
ISBN: 9788578230883
Editora: Ibis Libris
Cidade: Rio de Janeiro
Páginas: 102
Acabamento: Brochura
Ano: 2011
Preço: R$ 30,00
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

CABECINHAS ENVENENADAS!

CARTA ABERTA À ADVOGADA GERAL DA UNIÃO