CARTA PARA O VALVERDE OU PARA OUTRO QUE NÃO SEJA O "MAL".


VALVERDE OU OUTRO QUE NÃO SEJA O"MAL", TOMARA QUE VOCÊ NÃO SEJA ASSIM.
Caro companheiro Valverde, candidato a Governador do Estado de Rondônia nas eleições de 2010 ou a qualquer outro que concorde comigo, nesta:


   Por favor, sei que participarás do próximo debate televisivo. Sinceramente gostei do seu desempenho no debate em Rolim de Moura. Debate que assisti de perto e até lhe cumprimentei. Até antes dele, me encontrava cético em relação a sua pessoa. Mas você me surpreendeu. Para não ser injusto, eu também prestei a atenção no desempenho dos “bois contrários” com todo o respeito que cada um deles merece. Você foi firme, direto na sua fala, foi propositivo, não ficou dando voltas para dizer o que disse; atacou com educação a quem merecia, mas se concentrou em passar sua mensagem. Se fosse eu, certamente teria feito diferente e, com isso, talvez feito bobagem. Eu centraria fogo no adversário comum, para não dizer “inimigo do povo”. Eu apontaria todas as suas maldades que o tempo me permitisse, e com o dedo em riste, apontaria também para a cara do sujeito e do mentor dele que se encontrava bem na frente dele sentado ou de pé liderando a torcida de formiguinhas pagas para aplaudir seu “escolhido”. Mas, graças a Deus, você é diferente, não perderia seu tempo para falar do “outro”, mas das propostas para uma Rondônia melhor para todos. Ainda bem que você agiu assim. Você percebeu como o candidato metido a clone do “IC” sorria como um lagarto? Fazia gestos com as mãos como quem chama para a briga? Percebeu que arrogância burra dele? Gesto de quem acredita na burrice do povo? Que acredita que, com ajudinha da máquina do Estado, vai continuar o reino que seu antecessor instaurou por aqui? Valverde, sinceramente, quando vi este “cidadão” sorrindo tremi de medo. Pensei: o quanto ele fará, se ganhar essas eleições, para perseguir, maltratar, humilhar ou coisa pior contra os funcionários públicos, em especial, os professores, que não tiverem votado ou feito a campanha dele? Deus me livre, digo, nos livre! Mas, como tenho esperança que isso não vai acontecer, eu vou te pedir apenas 10 coisas, que acredito que, você fazendo realmente, vai mudar a educação neste Estado, de fato, fazendo-a melhor para todos e não para uma minoria. Acredito que se você concordar, tornar isso público e divulgar prá valer e com rapidez e firmeza para todos os professores nos 52 municípios deste Estado, suas chances de vitória poderão aumentar. Eis então meus dez pedidos:

1º] AMPLIE O NÚMERO DE ESCOLAS construídas no Estado conforme a necessidade de cada município ao longo do seu governo, para atender a grande demanda por escola e combater a superlotação das salas de aulas.

2º] DIMINUA drasticamente a superlotação das salas de aulas, SALAS DE AULAS COM ATÉ 25 ALUNOS. Na medida em que for ampliando o número de escola você vai possibilitando que todos os professores trabalhem com turmas de até 25 alunos por sala. Isso diminuirá os custos de energia gasta com ar condicionado que não dão conta de refrigerar salas tão cheias, tão lotadas e, por tabela, diminui a possibilidade de contaminação por piolhos e doenças transmissíveis, tais como herpes e outras doenças de pele e etc.

3º] INDIVIDUALIZE CADA VEZ MAIS O ENSINO DENTRO DE SAL DE AULA. Como? Propondo leis à Assembléia Legislativa que: impeça, a todo o custo, a matrícula de alunos no início do ano letivo ou durante ele,quando, definitivamente não houver vagas, a fim de garantir, por lei, o número proposto de alunos por turma e as condições mínimas para os professores trabalharem. É bom lembrar que quanto mais individualizado for o ensino, melhor será a qualidade deste ensino.

4º] COMBATA O ASSÉDIO MORAL NO INTERIOR DAS ESCOLAS E DA SEDUC por parte dos gestores das escolas [diretores, supervisores e orientadores escolar] sobre os colegas- "subordinados". Como? Enviando projeto de lei tratando deste tema para a AD Por razões políticas, pessoais ou simplesmente pelo fato do professor contestar idéias e posturas que julgam erradas no ambiente escolar, muitos diretores tem perseguido e devolvido o profissional sem direito de defesa alguma. Isso tem sido uma praga durante todos os governos que Rondônia já teve e que se acentuou bastante durante o governo IC e JC, fazendo muitos profissionais da educação adoecer e a submeterem a tratamento psiquiátrico e a pagar caro pelos remédios tarja - preta que tem que tomar. Também: o assédio moral custa caro aos cofres do Estado e aos alunos, pois o estado tem que pagar o professor que ficou doente e a um substituto para não afetar o ano letivo.

5º] CONDICIONE a maioria dos aumentos salariais ao aperfeiçoamento profissional obrigatório. Isto é, aumente a gratificação ou o salário para todos aqueles que obtiverem uma pós-graduação, um mestrado e doutorado. Quer receber mais? Estude, pesquise e publique mais! Pois assim o Estado terá um quadro funcional de alto nível. PORÉM..., você tem que GARANTIR o direito que a constituição estadual dar aos servidores de se licenciarem com remuneração para estudar, se pós-graduar e etc. Nos últimos governos, este direito só foi dado aos que tem cargos de confiança ou aos apadrinhados dos poderosos do Estado.

6º] ACABE DEFINITIVAMENTE COM A FIGURA DO PROFESSOR EMERGENCIAL. Se o senhor permitir continuar com isso, vai terminar institucionalizando esta figura. Todos têm que serem concursados e funcionário de carreira. Defenda um nível digno de concurso para que o Estado possa recrutar os melhores para seu quadro de pessoal. Pois, os últimos concursos tem sido de nível médio. Em Pernambuco, por exemplo, ninguém se torna um professor de história sem ter sido aprovado em provas de nível superior, provas que exige do candidato, uma boa quantidade de leitura acadêmica. É preciso parar de terceirizar o processo seletivo como vem acontecendo atualmente.

7º] AVALIE, se necessário for, os profissionais da educação pelo nível acadêmico que tem, pela sua produção escrita e suas leituras, com artigos publicados, seminários que participou, enfim, pela riqueza do seu currículo lattes. Para isso, é preciso permitir ao professor que ele possa estudar quando não estiver em sala de aula. Ao invés dele ficar chupando o dedo, fofocando na sala dos professores, ele deve está freqüentando algum curso na universidade pública em convênio com o Estado.

8º] EXTINGUIR a forma como o Estado vem até agora promovendo a formação do professores, usando o Hotel caro e de luxo da cidade, pagando a alguns professores que apóiam o governo para ministrarem cursos caros e sem valor algum acadêmico. Forma que não tem dado bons resultados, não tem melhorado o nível de ensino nas escolas, que tem servido apenas de palanque para o governante de plantão e para impressionar e matar a fome da parte pobre e miserável da categoria dos docentes estressados que precisam fazer um turismo de vez em quando para não pirar.

9º] ENVIE UM PROJETO DE LEI E CONSIGA A APROVAÇÃO DA AD a ELEIÇÃO DIRETA DE UM COLEGIADO formado por representante dos professores, pessoal de apoio, pais e alunos das escolas públicas em todos os municípios, para que a partir dele, seja escolhido um diretor executivo [uma espécie de 1º ministro] e um vice, afim de gerir a escola. Creio que esta é a proposta do SINTERO.

10º] DEFINA VIA DECRETO UMA POLÍTICA DE LOTAÇÃO DO SERVIDOR PÚBLICO, ou via projeto de lei enviado para a aprovação da AD, afim de controlar o grande fluxo de profissionais, em especial, os professores pelas escolas, até por motivos banais. Quanto mais próximo o servidor estiver lotado do local, bairro onde mora, menor as chances dele faltar, chegar atrasado. Além de diminuir os custos com vale-transporte para o Estado e ser bom para os alunos ter um professor que mora em sua comunidade, conhece seus problemas e, com tal conhecimento, poder trabalhar melhor.

Pois bem meu caro Valverde:
Essas são as minhas 10 coisinhas que gostaria de ver o senhor defendendo na TV, nos panfletos dirigidos diretamente aos professores e, se ganhando as eleições, fazendo. O atual governador afirmou no debate de Rolim de Moura que a esposa dele foi a melhor secretária de todos os tempos que Rondônia já teve. Apesar disso, a educação continou sendo o que tem sido atré agora: um retrato da "beleza" dela e de outras que vinheram antes dela, para não dizer coisa pior. Mas, se der azar e o povo escolher o mal ou alguém diferente, tomara que ele tenha lido esta minha carta e que considere o valor, a pertinência e a viabilidade de realizar tais pedidos. Independente deste pernambucano sonhador que deseja voltar a ter prazer de dizer que é um professor.

Peixoto, o DesProfessor de "rondônia".











Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DEPOIS DO VENDAVAL

CABECINHAS ENVENENADAS!