Sindicato dos espertalhões: mais uma crônica sobre um sindicalismo safado.

O GRUPO “SINTERO somos nós sempre” conspira e trama, se mexe para não ter que se sujeitar a mais outra eleição, esta com lisura e transparência e quiçá com uso da urna eletrônica.

1. No site oficial do SINTERO, consultado nesse dia 30 de novembro de 2011 às 19h26min horário local, há uma nota cujo título é: “TRANSPOSIÇÃO - Comissão começa a receber termo de opção em janeiro” [Quarta, 23 de Novembro de 2011-16h03min]. Nela, o senhor Manoel Rodrigues da Silva é tratado como novo presidente da entidade. Eis o trecho literalmente: “A informação foi transmitida agora à tarde pelo novo presidente do Sintero, Manoel Rodrigues da Silva, após participar de reunião no Ministério do Planejamento, em Brasília”.
2. Ora, com base no fato de que a justiça ainda não confirmou a vitoria do dito cujo, como o grupo “O SINTERO somos sempre nós” se refere a esse cidadão dessa maneira? Seria por terem absoluta certeza que irão se dá bem mais uma vez na disputa política sobre seus histórico e novos adversários? Os que eles se empenham tanto de demonizar entre os sindicalizados que se participam da entidade? O super, hiper e indestrutível machomen advogado, presidente da seccional de Rondônia da à horda, perdão, da OAB, o doutorrr Hélio Vieira disse na tarde desta terça-feira que na próxima semana resolve o problema do magistrado e as coisas voltam ao normal.” [1]. Ora, sendo verdadeira tal dito do ilustre defensor da “democracia”, só podemos imaginar como ele conseguirá resolver o problema do tal magistrado? Qual será o problema dele? Será que é de ordem financeira? Se for, vai confirmar de fato que a “mão invisível do mercado” também influencia decisões magistrais e que há decisões de preço variado nele.
3. Essa, provavelmente, deve ser a explicação mais próxima da arrogância do grupo “O SINTERO somos sempre nós” ao, antes mesmo do senhor, doutor magistrado com quem o mega advogado Hélio irá “conversar”, se referir ao senhor Manoel como o novo “papa” ungindo, mungido e batizado do sindicato dos trabalhadores em educação. Bem que meu irmão disse: “Essas caras [grupo “O SINTERO somos sempre nós”], com certeza vão dar o jeitinho deles para garantir o que eles chamam de “vontade da maioria” da categoria. Acredito até que esse juiz mesmo sendo federal fez isso [suspendeu a posse] para ganhar alguns trocados por fora!”. Meu Deus será que meu irmão tem razão ou seria isso mais uma teoria da conspiração?
4. Tomara que não. Mas, se levarmos em conta a memória de muitos sindicalizados a esse sindicato, a memória dos que desejam que ele seja uma instituição séria, transparente, interativa com sua base, aberta a novas idéias e ações e que não seja reduto de um único partido político, mas plural em sua composição diretiva, devemos temer sim que tal como as personagens os metralhas nas estórias do Tio Patinhas do Wall Disney que vivem bolando um jeito de roubarem a moedinha número Um do pato mais rico do mundo; os espertalhões que hoje compõe o que denominei de “grupo do SINTERO somos nós sempre”, com certeza já deram um jeitinho de ganharem mais tempo a fim de tramarem um jeito definitivo de garantir a posse do senhor Manoel. E parece que conseguiram!
5. Os espertalhões tiraram da cartola mais um coelho, mais um truque oportunista. Sob o pretexto de convidar “a categoria para participarem do movimento SINTERO CONTRA A CORRUPÇÃO - Manifesto pede a cassação de deputados corruptos” na frente da Assembléia Legislativa no dia 29 de novembro de 2011, aproveitaram o ensejo e convocaram, de supetão, mais uma “Assembléia geral de trabalhadores da Educação realizada hoje [dia 29/11/2011] onde se deliberou pela prorrogação do atual mandato da Diretoria do Sintero. [2]. Ora, porque afirmo que isso foi mais um truque, malícia, sacanagem, falta de vergonha na cara? Que tiveram um comportamento típico de almas sebosas? Que agiram como calhordas charlatões e embusteiros sindicais? Porque temem alguma coisa! Uma categoria de aproximadamente 23 mil filiados se fez presente em sua maioria nessa “assembléia geral”? Não! Não estavam presentes nela, simplesmente porque não fizeram por onde essa maioria verdadeira estive ali presente. Puro embuste! Truque! Safadeza! Infelizmente, isso acontece porque essa real maioria é omissa e por ser assim, fica difícil ser otimista quanto as suas qualidades e quanto ao seu futuro. Que sina triste desses auto-considerados iluminados e aristocráticos professores de nossas Escolas Públicas que compõe uma boa desse sindicato safado!

Fontes:

Consulta feita em 30/11/2011

Consulta feita em 30/11/2011



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DEPOIS DO VENDAVAL

CABECINHAS ENVENENADAS!