Buscando fontes de pesquisa Histórica

Na intenção de se aproximar de fontes consideradas primárias de um determinado período histórico da denominação batista no Amazonas, especificamente, da Primeira Igreja Batista da cidade de Porto Velho quando era de Manaus [1921 a 1937], o pesquisador pode obtê-las de forma indireta. Neste sentido, deve orientar quem vai lhes ajudar nessa empreitada, fornecendo, no mínimo uma lista de registros de seu interesse para que possa ser selecionado os documentos uteis para sua pesquisa que serão, posteriormente, analisadas e utilizadas na construção do discurso histórico pretendido. Sendo assim eis a lista proposta abaixo.

Lista de Documentos que podem servir de Fontes Históricas para a compreensão de quem era a Primeira Igreja Batista de Porto Velho.

Explicação inicial

Prestimoso Sr. Dionísio Shockness Junior, venho por meio desse texto, fornecer uma lista de possíveis documentos que o senhor seu pai deve ter tido durante a vida dele; documentos que ele juntou, ganhou ou até mesmo produziu durante a longeva vida dele. Papeis considerados velhos, amarrotados, sujos que para uma pessoa leiga do conhecimento histórico parece não ter valor algum. Fotografias antiga, recibos de compra e venda, pequenos recados, recortes de jornais e revista, aparentemente sem valor, que certamente pode ser consumido pela traça do tempo e desaparecer para sempre se não for corretamente aproveitado por qualquer historiador. O Sr. Dionísio, seu pai, não se resumiu a um ex-trabalhador da Estrada de Ferro Madeira Mamoré [EFMM], ele foi muito mais que isto. Foi, entre tantas coisas, cidadão de um tempo incrível e singular em Porto Velho, no Brasil. Foi também protagonista e coadjuvante do desenvolvimento de uma denominação protestante [os batistas] neste canto da Amazônia, enfim, foi testemunha de inúmeros acontecimentos que não podem cair no esquecimento público e nem ficar restrito no âmbito familiar como se isto garantisse sua eternidade como memória. É fundamental conhecermos um pouco mais sobre a pessoa dele, do cristão que ele foi, do maçon. entusiasta que era, do líder atuante que foi na PIB de Porto Velho, das canções favoritas que cantava, dos cenários por onde andou e viveu, do pai prestimosos que pode ter sido, do marido companheiro que foi para vossa mãe, das comida preferidas que gostava de comer e do cidadão atento. Por meio da documentação por ele produzida ou adquirida ao longo da vida, poderemos conhecer tantas coisas..., então, Dionísio Junior, eis a lista de documentos que eu gostaria que você coletasse para mim junto a vossa mãe e parentes. Talvez não haja como ter acesso a todas elas e nem sequer que todas possam existir. O importante é que essa sugestão de lista que vos indico sirva para orientá-lo nessa busca pelo vivido de uma pessoa como o senhor seu pai. Oxalá possa ajuda-lo a me ajudar nessa tarefa que me propus a realizar como historiador. Não se esqueça de que quanto mais antigo for, melhor será o resgate histórico. Minha pesquisa está delimitada entre os anos de 1921 a 1937, mas, mesmo que não encontre nada dentro desse período, qualquer material encontrado de qualquer outro período será valioso para a pesquisa. O historiador trabalha com a documentação disponível.

Eis a lista:

1- Jornais, revistas ou panfletos de qualquer tipo, por exemplo: o Jornal Batista;
2- Inventários ou testamentos;
3- Registro de nascimento, batismo, casamento e de óbito [do Sr.Dionísio, o pai ou avô dele etc...]
4- Correspondências pessoais ou institucionais, bilhetes pessoais ou de irmão da fé que tenha produzido ou recebido;
5- Registros de Atas, ou mesmo Livros ou páginas de Atas da Igreja;
6- Notas fiscais, recibos de compra e venta;
7-Notas de protestos;
8- Escrituras de imóveis ou carta de aforamento;
9- Convites de qualquer tipo, ingressos;
10- Fotografias de todo o tipo;
11- Diários pessoais;
12- Boletins de culto da Igreja;
13- Bíblia e Hinário que costumava usar;
14- Relatos de viagem ou Testemunhos de novos convertidos ou de qualquer irmão batista;
15- Listas de pastores com as quais trabalhou;
16- Receitas médicas ou culinárias que, porventura, tenha registrado;
17- Relatos ou relatórios de pastores, missionários ou sobre a Igreja ou denominação Batista, Católica e Anglicana [caso tenha];
18- Plantas de imóveis. Por exemplo: a planta do templo da PIB de Porto Velho;
19- Cartas de transferência ou como se dizia na época: “Carta de Demissão” de uma ou várias igrejas;
20- Relatos de como o Sr. Dionísio pai enxergava os batistas e pastores da Igreja dele, os católicos da sua época e a Maçonaria, a cidade, a EFMM e etc. que esteja registrado.

Por enquanto, é só isso! Apenas uma lista que possa orientá-lo na coleta documental que pode ajudar no estudo da memória por ele produzida e que pode ser historiada.
Espero que te ajude.

Grato pela sua atenção.
Prof. Peixoto.
Inverno amazônico
01 de Dezembro de 2014.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

CABECINHAS ENVENENADAS!

CARTA ABERTA À ADVOGADA GERAL DA UNIÃO