CONSIDERAÇÕES DE UM SINDICALIZADO NO SINTERO

                                     Deu no jornal eletrônico local: "Tudo Rondônia.com"
                                                       http://www.tudorondonia.com.br/ler.php?id=15973

                          Claudir Mata se licencia do Sintero para lançar pré-candidatura

A presidente do Sintero, Claudir Mata, anunciou na reunião do Sistema Diretivo do Sintero, realizada sábado dia 29/05, em Guajará-Mirim, que pedirá licença do cargo para lançar sua pré-candidatura à deputada estadual pelo Partido dos Trabalhadores.

A desincompatibilização de dirigentes sindicais quatro meses antes das eleições de outubro obedece à Lei nº 9.504 (Lei Eleitoral).
O pedido de licença será formalizado na quarta-feira, dia 02/06. Durante o período em que estiver afastada da presidência do Sintero, Claudir será substituída pelo Secretário-Geral do sindicato, Manoel Rodrigues da Silva, conforme preveem o Estatuto e o Regimento Interno da entidade.
Ao anunciar sua disposição de disputar uma das vagas na Assembleia Legislativa, Claudir disse que [*1]o movimento sindical não pode ficar alheio ao processo eleitoral deste ano sob pena de ficar mais quatro anos sem representante no Legislativo Estadual.

Claudir ressaltou que a sua pré-candidatura [2]faz parte de um projeto construído entre os trabalhadores em educação, categoria que foi bastante penalizada por falta de quem a defenda na Assembleia Legislativa.
“Durante os últimos quatro anos os trabalhadores em educação assistiram, sem poder fazer nada, à retirada de inúmeros direitos através da aprovação de leis na Assembleia Legislativa. Muitas vezes as sessões eram realizadas na calada da noite para modificar leis e até a Constituição Estadual. Na maioria dos casos foi inútil o contato com deputados estaduais e os vários pedidos para que não aprovassem leis prejudiciais aos servidores”, disse. A presidente do Sintero se refere aos direitos conquistados pelos trabalhadores em educação ao longo de duas décadas de luta, que, por ordem do ex-governador Ivo Cassol e pela falta de compromisso de deputados estaduais com os servidores, foram retirados em sessões que os parlamentares nem sabiam o que estavam votando. “Ficou demonstrado nessa legislatura que [3]quem não tem representante na Assembléia Legislativa encontra dificuldades para encaminhar os anseios dos diversos segmentos. Os servidores públicos, especialmente os trabalhadores em educação, perderam muito com isso”, disse. Claudir submeterá sua pré-candidatura à convenção estadual do PT, que acontece no final de junho.

- CONSIDERAÇÕES DE UM SINDICALIZADO NO SINTERO:

1- Desde quando o movimento sindical ficou alheio ao processo eleitoral? Nunca! O que se se deve questionar, é como se comportou diante dos processos que teve a chançe de se envolver direta ou indiretamente? Nem este movimento e ninguém , mesmo querendo, fica alheio a ele. A Claudir, nessa entrevista fala, especificamente, do grupo dela que dirige o SINTERO dsde a sua criação- o grupo [a]fundador. Este, durante toda sua existência, sempre fez política e politicagem, seja para galgar postos no executivo ou legislátivo local, estadual e federal por meio do seu apoio a cadidatos ligados ao partido que dizem respeitar, o PT. Nos primeiros tempos, começaram usando o prestígio da instituíção para conquistarem alguns carguinhos "discretos": Roberto Sobrinho se tornou secretário da educação na gestão Guedes em Porto Velho; davi Nogueira seu fiel "Rasputim" assessor especial, porta-voz, escudeiro. Outros de menor expressão desse grupo, se tornaram  assessoresinhos, colaboradores dos deputados estaduais e federais e da senadora que o partido conseguiu eleger e assim por diante. Nessa esteira temos o Nereu Klosinski, um dos seus presidentes, deputado estadual; Manuelzinho qu agora preside interinamente o sindicato, já foi vereador; o Willl...des - outro ex-presidente verador da capital, atual secretário da agricultura da gestão do atual prefeito de Porto Velho: Roberto Sobrinho, o primeiro presidente do SINTERO. Como podemos ver: esse pessoal NUNCA ficou alheio ao processo eleitoral. Otário: é quem acrdita nisso. Logo, a candidatura da Claudir, representa apenas a continuação do projeto pessoal e do grupo dela de se perpetuar neste poderzinho, que mesmo sendo pequeno, atiça muita gente. A vida de professor é uma merda, uma vida de fodido e mal-pago como diz Galeano no livro dos abraços. Por que continuar nesta vidinha miserável, se podem "conquistar" além do aparelho sindical, o mundinho mediocre, mas endinheirado da "política" de rondonia? E é nesses períodos a melhor chance de se obter este "sucesso" pessoal ou grupal. Então, nada melhor do que agora, para fazer uso do velho, desgastado e conveniente discurso de que eles, os caras, são  OS REPRESENTANTES dos trabalhadors da educação.

2-  Claudir, Pequeno-grande Manuézinho, Nereu- nenê, João Faz-arte, Willl...des e o R.Sobrinho: quem sempre eles representaram de fato? Eles nunca me fizeram setir representado em nada! Quais foram mesmo os interesses dos trabalhadores que eles representaram? De quais trabalhadores mesmo, que eles falam? Se olharmos para a trajetória desse pessoal com  um pouco de seriedade e senso crítico, veremos o quanto a propaganda deles é frágil e mentirosa. É até bíblico: pelos frutos conhecereis a árvore. Pois bem: aponte-me os frutos produzidos POR ELES?  Se houve algum fruto, perdido durante o governo cassol, este, com certeza, não foi produto das ações desses caras. Ficar repetindo como um mantra que "eles" são o cara; "que eles" é que fizeram acontecer as coisa é até perigoso para eles mesmos, pois, como  isentá-los das responsabilidades deles pela coleção de fracassos colecionados pela categora ultimamente? Mas, com certeza, a Claudir, vai se isentar disso tudo com o seu discursinho de que fez o que era possível, mas que fará muito mais, quando "virar" deputada. Fico a imaginar alguns pontos deles: "vamos re-conquistar o que tínhamos antes do Cassol assumir!" - "Vamos re- conquistar o que o ex-deputado Nereu conquistou e que perdeu depois!"- "Eu represento um 'projeto' 'coletivo' " [eca!] . É lamentável, mas, pelos frutos conhecemos a árvore. Os únicos frutos que podemos ver concretamente são aqueles que se encontram na garagem desse pessoal, na casa deles, no corpo deles e etc...Nisso, eles são um tremendo sucesso. Mas,...para a categoria.....Nada!!!ou quase isso!!!. De fato: sempre se representaram bem a si mesmo.  Um representa o outro e todos representam a todos. O resto: .... Pergunto a quem me ler agora: você foi convidado a participar desse tal projeto? Eu, nunca fui convidado. É muita cara de pau dizer uma baboseira dessa. Ah, já sei....  quando ela fala de trabalhadores da educação, ela se refere ao pessoal que "trabalha" dentro do sindicato, na cut, nas representações de ensino e nos órgão do segundo e terceiro escalão da prefeitura. Ah tá! agora entendi. Esses é "participaram" do projeto... Por isso, não me convidaram para a festa: eu não sou trabalhado em educação....

3- Pessoal: o único projeto que existe, é o dela e da turma dela. Ela apenas aqui, universaliza um interesse particular, do grupo dela. De alguém que nem sequer sabe mais o que é uma sala de aula. O que é precisar do plano de saúde do sintero- pagar caro e não ser atendido porque mora fora da capital. De alguém que silencia a crítica interna com estratagemas similares aos políticos que ela mesma diz combater. Que tem um padrão supeito de vida melhor que  a maioria absoluta daqueles que ela diz representar; aqueles que de fato, trabalha mais do ela na educação. Que desconhece o que é passar aperto financeiro, que não pode pagar viagens para fora do Estado e outras coisas mais. Manipuladora dos trabalhadores menos educados politicamente e que colecionou  só derrotas ao longo da sua gestão. Fez a categoria de otária, especialmente nesta última greve. Convecida, não sei porque razão, jamais enfrentou de forma honesta, justa e democrática crítica alguma de integrantes reflexivos da categoria. Lida com mais facilidade com o pessoal de apoio [merrendeira, faxineira  e vigia...] que com quem coragem de questioná-la em público. Ora, que porra de projeto ela fala então se nunca permitiu que ele fosse posto em discussão? Será que só o pessoal de apoio é que sabe e foi convidado a participar de sua "construção"?

4- Se tivesse mesmo a capacidade e competencia que acreditam ter. Se seu grupo que controla este sindicato desde a sua fundação fosse tão bom como vivem repetindo isso para si mesmo diante de um espelho:os resultados seriam outros e não os que sentimos agora em nossa pele.  Não só haveria trabalhadores deputados ou senadores, como haveria trabalhadores melhor politizados dentro dos seus locais de trabalho. Pelo contrário: ajudaram  e ajudam a idiotizar mais ainda a categoria. Categoria esta, formada por uma legião de imbecis, de otários que se acham especiais e, acreditem: "politizados". Uma categoria onde os professores são mais conservadores que os zeladores, faxineiros e vigias. Professores que quando tem uma oportunidadezinha qualquer: viram diretores para esnobarem com mereca de gratificação que recebem  e persseguirem adversáriosdentro das escolas que dirigem. Professores, que não gostam de ler e tem raiva de quem isso faz; professores que fazem de seu ofícil um bico; uma forma de fugir da sua vidinha mediocre de pretensa madame, perua e falastrona. Professores covardes que traem o próprio colega para não ser devolvido pela diretora . Inspetores de pátio dedo-duro, fuchiqueiros, P2 da diretora. bajuladores e auto-bajuladores! Hipócritas! Fraude pedagógica! Traíras! Lobos que comem outros lobos! CRISTÃOS!  Subservientes! Cérebros Infantis! Sacanas! Enfim: uma racinha de gente que não conseguem SER e AGIR como SUJEITOS da sua própria história cotidiana no ambiente interno da escola. Como esperam e falam que farão algo de bom de verdade para os outros? Como farão história em escala maior? Cito um exemplo bem real disso tudo que disse acima:  os amados "companheiros", como Claudir e sua turma costuma tratá-los, da EEEFM: QUATRO DE JANEIRO. 

5- É, o nosso futuro ofere quase nada de bom para quem pensa viroticamente a educação e procura trabalhar como pensa; quem luta contra as mazelas acima citadas; quem procura agir contra as idéias dominantes no interior da escola que subjaz todas as sacanagens que lá acontecem; que sonha com uma outra educação que não compactue com o Estado, não pasteurize as pessoas e que prime pela liberdade de pensamento e pela criação.Uma escola sem subdivisões em sala de aula como se fossem celas; sem  nenhuma padronização "irenylçianas" ou "Swamiriana" da vida  e do pensamento escolar, sem abuso de poder, sem imitações baratas de modismos americanos [ digo: projetinhos contra o "Búlim" por exemplo e etc..], sem covardias dos quese escondem sob o pretexto de se preocupar-se apenas em dar aula e etc.... A grande ironia disso tudo, é que Claudir e sua turma sempre tiveram o apoio de gente como no " [de]quatro de janeiro" espalhado por todo esse estado [que horror!]. Corremos um grande risco de ter esse tipinho de trabalhador em educação bem representado na assembléia legislativa para a nossa desgraça se consumar. Mas, se ela nõ for eleita? Seria bom para os alunos tê-la de volta a sala de aula?

que os deuses nos protejam!









2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DISCURSO DE COLAÇÃO DE GRAU DA TURMA DE PEDAGOGIA 2007 UNITINS FAEL PELO ORADOR E ACADÊMICO ROMY NOGUEIRA

O OUTONO DO PATRIARCA CHEGA AO FIM: FIDEL CASTRO ESTÁ MORTO.