DE QUE ADIANTA CHUTAR CACHORRO MORTO OU PROFESSOR MORTO?

Sr. dono do poder: para que bater num professor assim?

primeiro: As poucas pessoas que ainda nutrem um pouco de simpatia por mim andam ultimamente me alertando para a possibilidade de ser profundamente ferido ou até destruído pelas palavras que venho escrevendo  por aqui. Especialmente onde me encontro exilado ultimamente. Pois dizem que esta cidade: 'rolim de moura' tem dois donos: a família do IC e a família do VR. O resto das famílas são meros acessórios. Que se alguém, algum forasteiro especialmente, não estiver gostado: que se mude ou se conforme! Se inssistir e for funcionário público: estará sujeito a ter sua vida miserável ,mais miserável ainda. Cheguei a ouvir que posso até ser morto de uma maneira "misteriosa".Resumindo: neste pedaço do planeta é proibido achar ruim e reclamar. O máximo que se tolera: é que o camarada recorra a deus ou dê um jeito de ficar rico para então se manifestar.

segundo: Penso que essas manifestações são exageradas. Pois não me considero perigoso assim para ninguém e, especialmente, para os mandam nas instituíçoes que deveriam ser públicas, mas que não o são na prática. Eu sou ninguém! Não sou alguém que possa ameaçá-los de alguma coisa. Não tenho dinheiro. Não faço parte da turma detentora dos meios de produção. Não sou político profissional. Não sou sindicalista. Não sou líder religioso. Não tenho sequer uma casa própria. Vivo de aluguel dum barraco no mato. Vou de bicicleta para o trabalho. De patrimônio, só disponho dos meus livros que comprei a prestação ao longo desses anos em que vegeto em rondônia e um pouquinho de conhecimento que me permite exercitar o meu pensar. Ora, como posso morrer de novo já estando morto? Não existindo? Quem se importa com um professor fracassado reclamão? Chorão? Então, qual seria a explicação para tais alertas acima citados?

terceiro: Sinceramente, tenho dúvidas. Será mesmo que nesta parte do país não há lei? Não há justiça? ou tudo isso, se existir, não funciona para úm zé ninguém como eu? Será que devo temer até minha sombra por aqui? Me conformar e agradecer a deus pela miséria desta vida? Não sei. Será que os donos desse pedaço ligam para um cara como eu? Chutam cachorro morto? Sentem prazer em destruir um reles professorzinho de história traja-preta? Meu sumiço pode servir de lição para alguém? Sua vaidade é tão paroquial assim a ponto de se incomodar até com os pensamentos dos outros?

quarto:Supondo que seja verdade. Supondo que, na prática, a justiça, o tribunal de contas, a assembléia legislativa, o palácio do governo, a delegacia do menor, as igrejas cristãs locais, a oab, os sindicatos, os hospitais, as escolas e as mentes e corações das pessoas daqui tenham donos... talvez eu me ferre mesmo pelo o que já disse ou escrevi. Pasciência.! O que fazer? Não sei suportar o que julgo ser injustiça. Não sei desaprender a falar, a escrever, a pensar. Não sei vender minha alma ao diabo. Como posso esquecer de certos valores cristãos que denunciam as mazelas desta sociedade mesmo não sendo eficazes, mesmo não mudando nada que aprendi desde a minha adolescência? Como posso então, me resignar? Aceitar sorrindo ser sacaneado por essa gente sem, no mínimo, poder chorar? Putz! Seria preciso me despersonalizar e se deixar ser assimilado sem resistência. Mas, isso, por enquanto, não sei como fazer.

quinto: " Chutar cachorro morto" é agredir alguém que se sabe, antecipadamente, que não irá reagir. Quem faz isso deliberadamente, sabendo que não haverá reação, pode ser classificado de covarde. Todos que, de alguma forma ou de outra, que aderirram ou se deixaram ser "bovinizado" e, que por isso vivem bem e melhor do que eu, tendem a ser um covarde. Tendem ao sadismo, de curtir a desgraça alheia. Conheço colegas de profissão assim, alguns em cargo de direção de escola. O chato, é que aderir ao sistema sem resistência alguma, ser "ovelhazijado", passar  a elogiar tais pessoas, matar a crítica e os críticos, deixar de ser perseguido e tornar-se um perseguidor, finjir que é dessa turma, simular uma adesão temporária, enfim, se assujeitar não é garantia alguma de sucesso algum, porque a competição entre tais pessoas é muito grande. Logo, mesmo tendo medo, prefiro perder estando do lado que acredito ser o certo que ganhar estando no que sinto na pele que está errado. Posso não mudar o sistema, mas, ao menos resisto ser dominado por completo por ele. No mínimo, o ironizo, mesmo tendo medo dele. 



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DEPOIS DO VENDAVAL

CABECINHAS ENVENENADAS!