Não é apenas um filme!


Antonio Ozaí da Silva
26/02/2011 at 15:53


“... não são pedras que produzem filme, mas seres humanos que vivem em sociedade”

(Alexander Martins Vianna).



“Tudo isso, porém, não obscurece o fato de que a chamada Sétima Arte seja, antes de qualquer coisa, um produto. Apenas um produto. Um produto feito para consumo dentro da indústria do entretenimento”
 (Francisco Giovanni Vieira)



O filme é um produto, mercadoria, valor de uso e valor de troca. A produção desta mercadoria específica exige investimentos – público e/ou privado – e envolve uma gama de indivíduos para além dos atores, figurantes e direção. Implica, portanto, utilização de força de trabalho e expectativa de lucro para os produtores e financiadores.

Em geral, não nos damos conta disto. Talvez seja insensato intuir que o espectador reflita sobre fatores para além do filme no momento em que o assiste. Afinal, em geral as pessoas não vêem filmes para analisá-los e se restringem à aparência. O próprio exercício de análise do filme a posteriori pode se revelar uma atividade não muito encantadora.

De qualquer forma, as vezes me surpreendo. Outro dia, por exemplo, fiquei a pensar sobre a quantidade de patrocinadores do filme Olga. São grandes empresas e corporações públicas e privadas. A ironia é que se trata da história de uma comunista, alguém cuja ideologia pressupunha a abolição da propriedade privada. Como é possível? Simples, o Capital transforma tudo em mercadoria de consumo, até mesmo produtos culturais críticos. Não por acaso, a contracultura é assimilada e mercantilizada.

Por outro lado, o cinema, a exemplo da literatura, é uma representação da realidade – mesmo o gênero documentário. Ainda que o filme não trate de temas históricos, políticos, etc., mas apenas das questões afetivas, cotidianas, ele representa a realidade humana e produz o efeito de nos identificarmos com os personagens que vivem dramas humanos – que amam, sofrem, se alegram. Ou, o contrário, de rejeitarmos com veemência, pois tais personagens expressam características humanas abomináveis.

Esta sensibilidade talvez explique porque, muitas vezes, ao assistir a um filme, a razão fica “suspensa”. Não necessariamente ausente, mas parece ficar num plano secundário. Ao nos concentramos diante de um filme, parece que assumimos outra racionalidade determinada pelas imagens, os diálogos, a música, etc. O filme toma corpo e parece “existir” enquanto realidade e não representação desta. Por instantes, a ficção dá lugar ao real. A história, seus personagens, parecem “reais”. Então, ocorre um processo interessante: passamos a interagir emocionalmente com o que vemos e ouvimos na tela. Sentimos raiva e até choramos. Ao suspendermos a razão, acreditamos no que nossos olhos vêem e nossos ouvidos escutam. E passamos a raciocinar em torno do filme, assumindo uma outra racionalidade mesclada com os sentimentos que perpassam nosso ser. A “razão externa” ao objeto – o filme – dá lugar à “razão ilusória” produzida pela atitude de espectador. O efeito deste envolvimento pode prolongar-se após o término do filme.

Estas observações tem como pressuposto a minha experiência. No entanto, recordo que certa vez, ao projetar o filme Danton: o processo da Revolução para uma turma de alunos, alguns passavam a impressão de acreditarem no que viam e ouviam. A “razão iludida”, às vezes mesclada a uma certa ingenuidade, faz com que o espectador não atente para o fato de que o filme é também uma interpretação de fatos históricos, influenciado por interesses econômicos, políticos e ideológicos. É a versão do diretor e uma das possíveis interpretações da história. Em suma, é ficção e representação, ainda que histórica.

Fonte: http://antoniozai.wordpress.com/author/aosilva/
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DISCURSO DE COLAÇÃO DE GRAU DA TURMA DE PEDAGOGIA 2007 UNITINS FAEL PELO ORADOR E ACADÊMICO ROMY NOGUEIRA

O OUTONO DO PATRIARCA CHEGA AO FIM: FIDEL CASTRO ESTÁ MORTO.