Tchauzinho EJA!

DesProf.Peixoto



1- Está correndo a notícia em boca miúda de que o turco do Mauro Nasiff que é prefeito de Porto Velho quer fechar o Ensino de Jovens e Adultos, o “EJA” na Escola Municipal Olavo Pires no bairro 4 de Janeiro, sob a alegação de falta de demanda, isto é, por falta de jovens e adultos interessados em concluir seus estudos atrasados. Sendo confirmada tal afirmação, a falta da oferta dessa modalidade de ensino deixará muita gente sem chances de conquistar um certificado de escolaridade de que tanto precisa para ter um emprego. Todos sabem que sem “papel”, sem o documento podem perder uma vaga de trabalho de repositor de supermercado, balconista de papelaria ou de vendedor dos comércios que nessa cidade. Portanto, deixar de oferecer a chance de fornecer um certificado de escolaridade aos que disso precisam é, no mínimo, uma sacanagem parte dos atuais gestores públicos do município de Porto Velho.

2- Já se foi a época em que com apenas o ginásio o ex-prefeito de Porto Velho José Guedes conseguiu trabalhar num cargo relevante numa empresa do falecido senador Olavo Pires. Hoje, ter o certificado, ter o “papel” faz parte do critério mínimo de seleção para uma vaga de emprego, cujas funções não precisam tanto daquilo que esses certificados afirmam que o candidato presumidamente “aprenderam” ao longo de sua passagem pela escola. Mas, sabemos que para certos empregos como o de Guari da Prefeitura, ter somente o certificado não ajuda muito, é preciso que o indivíduo tenha conseguido aprender alguma coisa. E como sempre há uma absoluta minoria que, por algum motivo qualquer, precisam estudar e que gostam de estudar de verdade, o “EJA”, o Ensino de Jovens e Adultos continua sendo uma forma rápida de compensar o tempo que não pode ser bem aproveitado por tais pessoas. Por isso só, não pode ser deixado de ser oferecido pelo Estado.

3- Sabemos que essa escolarização fast-food, que essa comida pronta escolar que o Estado oferece idealmente aos que se atrasaram por alguma razão tem sido, na prática, uma fraude, uma forma de expedir certificados a inúmeras pessoas. O “EJA” vem sendo sabotado ao longo da história pelos seus próprios gestores. Os caras que estão em situação de poder dentro do aparelho de estado, não importando a sua instância, apenas fingem se importar com os jovens e os adultos que precisam dessa escolarização. Pois, não fazem o menor esforço para que seja oferecido uma modalidade de ensino flexível, capaz de se ajustar as características da realidade desse público-alvo de cada região desse País. O “EJA” tem sido uma camisa de força onde o jovem e o adulto, não importando a realidade deles, é que tem que se ajustar tornando este serviço uma fraude, uma forma apenas da pessoa ter um certificado de escolaridade independentemente do que, de fato, aprendeu durante o curso. Sem falar do fato de muitos adolescentes ou mesmo jovem que não trabalham, que são ainda sustentados pelos pais, serem matriculados no “EJA” se misturando a clientela para o qual o “EJA” foi inventado. Que podem frequentar o Ensino Fundamental e Médio, mas que enxergam no “EJA” uma oportunidade de obter um certificado sem precisar aprender alguma coisa.

4- Ora, uma das razões disso ocorrer é o fato do sistema formal, convencional de ensino não conseguir ensinar e o seu público alvo não aprender. Por mais que o Governo Federal, Estadual ou Municipal, a cada governo, fique fazendo “invencionices” educacionais, inventando balelas e fuleragens como a Escola de Tempo Integral o projeto “Mais Educação” [Aulas de Reforço nos espaços alheios] para justificarem a enorme gastança de dinheiro público, a aprendizagem não ocorrem para a maioria e a escola passa a ser encarada como mero depósito de gente, uma enorme creche que alimenta e cuida de gente que não podem ficar em outro lugar sob os cuidados de pais que precisam trabalhar. Neste sentido é que o “EJA” vem sendo a forma mais rápida do sujeito se livrar desse sistema chato, pedante, burocrático, farsante, feio e horroroso em que é obrigado por lei a frequentar.

5- Se for para a Prefeitura de Porto Velho acabar com esse “EJA” fraudulento e instaurar um que preste e para quem de fato queira estudar, que faça isso! Tchauzinho velho “EJa”! Agora, se for por falta dessa demanda: pessoas que precisam e gostam realmente de estudar, que o “EJA” seja extinto! Que vá para o inferno! Coitado do diabo!

©Blog do Desprof.Peixoto.http://moisespeixoto.blogspot.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

DEPOIS DO VENDAVAL

CABECINHAS ENVENENADAS!