Fazendo jus ao fundamentalismo excludente de sua história: Convenção Batista exclui igreja em Maceió por batizar homossexuais

O que a Convenção Batista Brasileira escreve não se ler, pois o que escreve sempre é letra morta. Escreve nos chamados "Princípios Batista" e na sua "Declaração Doutrinária": liberdade de consciência e de expressão, autonomia de cada Igreja, pois, o regime político batista é congregacional . A exclusão cabe a quem trai tais coisa, não o contrário. A CBB com mais essa postura alimenta uma conjunção de monstros fundamentalistas e reacionários de direita agregados tal como a "aliança batista conservadora" e outros subgrupos. Primeiro rechaçaram a PIB de Campo Limpo, SP, pastoreada pelo Pr. Antonio Carlos em 1999 com a consagração oficial de uma pastora da Convenção Batista Brasileira, Pra. Silvia da Silva Nogueira, agora excluem uma igreja co-irmã de Maceió. A ironia é que tudo isso é feito em nome de Jesus!




11/07/2016 19h36 - Atualizado em 11/07/2016 20h01

Presidente da igreja excluída afirma que medida é um 'retrocesso'.Convenção é o órgão máximo da denominação Batista no Brasil.

Derek GustavoDo G1 AL

A Igreja Batista do Pinheiro (IBP), em Maceió, foi excluída da Convenção Batista Brasileira (CBB) por realizar, desde fevereiro deste ano, o batismo de membros assumidamente homossexuais. A informação é do presidente da IBP, pastor Wellington Santos.

A reportagem do G1 tentou falar com a CBB por telefone e encaminhou um e-mail sobre o assunto, mas não recebeu resposta. Em seu perfil no Facebook, a convenção se apresenta como o órgão máximo da denominação Batista no Brasil, responsável pelo padrão doutrinário dos batistas no país.

Segundo o pastor Santos, que considera a decisão um “retrocesso”, a exclusão da IBP foi decidida no último sábado (9), durante sessão extraordinária da CBB na cidade de Vitória, no Espírito Santo. Ele afirma que a desfiliação não vai mudar o funcionamento da igreja ou o tratamento aos fiéis.

“O único motivo para essa exclusão é o batismo de homossexuais. Nós sempre fomos uma igreja de vanguarda, ecumênica, assim como deve ser a igreja Batista. Fazemos parte da Convenção desde os anos 70. Sofremos sanção quando decidimos aceitar irmãos homoafetivos. O processo todo de exclusão levou impressionantes 90 dias, quando normalmente seria feito em pelo menos 10 anos”, afirma Santos.

O batismo de homossexuais passou a ser praticado pela IBP após uma assembleia extraordinária realizada em fevereiro, e que contou com a maioria dos votos dos membros. A partir daí, a igreja e seus líderes passaram a receber críticas e ameaças, inclusive de outros líderes religiosos, por telefone e pelas redes sociais.

Uma das críticas à IBP veio da própria CBB no dia 30 de março, por meio de uma declaração oficial assinada por seu presidente, Vanderlei Batista Marins, e o diretor-executivo da instituição, Sócrates Oliveira de Souza.

No documento, publicado no perfil da CBB no Facebook, eles afirmam que a igreja de Maceió fere a constituição da convenção e a palavra de Deus.

“A diretoria da CBB entende que a Igreja Batista do Pinheiro tem seu direito à autonomia (…), mas ao tomar isoladamente esta decisão, desconsiderou o espírito cooperativo e participante entre as igrejas batistas e expôs a denominação diante de uma situação desconfortável perante à mídia como se agora os batistas aceitassem livremente como membros de suas igrejas pessoas homoafetivas”, diz trecho da declaração.

Para o pastor Wellington Santos, a decisão, apesar de legítima e legal, é um retrocesso.
“Essa violência simbólica parece muito com a violência que é cometida contra os homossexuais, de pessoas que insistem em falar que não existe crime homofóbico. Isso é uma espécie de recado, dizendo ao outro que fique calado, que se cure ou tome remédio. É um retrocesso, sem dúvida”, conclui Santos.

Igreja não mudará tratamento a homessexuais

Ainda segundo o pastor, apesar da exclusão da Convenção Brasileira, a Igreja Batista do Pinheiro continua a mesma, e nada muda, principalmente para os membros batizados. “Os membros continuam sendo membros. Nós ainda somos membros da Aliança Batista do Brasil (grupo paralelo de igrejas batistas), e sempre tivemos autonomia financeira”, explica.
Sobre manter o batismo de homossexuais, Santos afirma que a prática prosseguirá. “Começamos a aceitar membros gays em 28 de fevereiro. E depois do que houve, não voltaremos atrás”, afirma o pastor.
Em junho, a direção da IBP enviou uma carta à Convenção Batista, onde lista os motivos que a levaram a aceitar membros homossexuais e lamenta a repercussão negativa. Esse documento foi postado na página da igreja nas redes sociais, e gerou diversos comentário de apoio à instituição alagoana.


Fonte: http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2016/07/convencao-batista-exclui-igreja-em-maceio-por-batizar-homossexuais.html?utm_source=whatsapp&utm_medium=share-bar-desktop&utm_campaign=share-bar
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

CULTURA, INTERCULTURALIDADE E MULTICULTURALISMO: UM INVENTÁRIO DAS IGUALDADES E DIFERENÇAS TEÓRICAS NA EDUCAÇÃO

O OUTONO DO PATRIARCA CHEGA AO FIM: FIDEL CASTRO ESTÁ MORTO.

DEPOIS DO VENDAVAL